O impacto da transformação digital no planejamento do seu negócio

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Mais lidas

Categorias

Quais são os impactos gerados pela transformação digital e como isso afeta o planejamento estratégico das organizações? Clique aqui e descubra agora!

A transformação digital está em todo lugar. Publicada em artigos na web, representada pelas mudanças da indústria 4.0, na lista de objetivos das empresas e presente em momentos que vivemos todos os dias.

Desde que os smartphones se tornaram populares e a internet ficou mais acessível, muita coisa mudou no dia a dia das pessoas e na rotina das organizações. É como se um outro mundo tivesse surgido de repente, repleto de novas oportunidades e surpresas a cada esquina!

Atualmente, estamos atravessando uma grande revolução. Uma revolução que, assim como as anteriores, tem mudado a maneira como enxergamos as coisas, vivenciamos experiências e nos comunicamos com os outros. Uma revolução que nos tirou da zona de conforto, exigindo novos papéis na sociedade e gerando impactos diretos na forma como as marcas se relacionam com seus consumidores.

Não há jeito: por mais que algumas pessoas ainda se recusem a observar este movimento, a transformação digital é uma realidade. É algo que já começou, um longo processo de descobertas e provocações. Um caminho obrigatório para aqueles que desejam sobreviver em um mercado altamente competitivo e inegavelmente mutante.

Afinal, passou da hora de encarar os desafios impostos por essa nova economia. Este conteúdo foi elaborado com base nessa urgência e, nele, você lerá sobre:

  • Os impactos das revoluções na sociedade;
  • As fases do progresso tecnológico;
  • A real definição de transformação digital;
  • O impacto da transformação digital no planejamento da empresa.

Então sirva-se de um café e continue a leitura para dar o pontapé inicial rumo à tão buscada mudança de mindset.

Os impactos das revoluções na sociedade

O objetivo principal deste conteúdo é falar sobre a transformação digital que vivemos hoje. Porém, não temos como aprofundar nossos conhecimentos sobre o assunto se não voltarmos um pouco no tempo e entendermos como as revoluções anteriores aconteceram.

Pense, por exemplo, nas revoluções industriais que tivemos e em como elas mudaram a sociedade.

A primeira delas começou na Inglaterra em meados do século XVIII. Foi quando começamos a utilizar a máquina a vapor para a produção têxtil – processo que gerou alterações econômicas e sociais marcantes no mundo inteiro, como o crescimento das grandes cidades, a construção de ferrovias e a descoberta de novos continentes pela busca por mais matérias-primas. 

Cerca de um século mais tarde, foi dada a largada para a segunda revolução industrial. Passamos, então, a contar com várias das facilidades que perduram até hoje, como automóveis, aviões, telefones, aparelhos de rádio e televisores.

Por fim, a terceira delas, por sua vez, começou por volta metade do século XX, logo após a Segunda Guerra Mundial. Ficou conhecida como revolução informacional ou técnico-científica, representada pela robotização do sistema produtivo.

As indústrias passaram a utilizar tecnologias como robótica, genética e eletrônica em seus processos –  rompendo barreiras físicas e temporais, iniciando a globalização.

Consegue enxergar como as revoluções transformaram nossas realidades e exigiram adaptações importantes nas culturas empresariais?

Nesse sentido, não há dúvidas de que as organizações – que sobreviveram a tantas mudanças – souberam identificar onde haviam oportunidades de crescimento. Dessa forma, entenderam cada uma das etapas e ajustaram-se aos novos cenários para continuarem crescendo – ao invés de ignorar a realidade.

Progresso tecnológico

No entanto, o que pouca gente sabe é que a transformação digital é a terceira fase de um progresso tecnológico que começou pela digitização e passou pela digitalização.

São estas, aliás, as três principais etapas de um processo que teve início com a transição de estruturas analógicas para digitais e perdura até hoje – com alterações muito mais profundas em padrões sociais e organizacionais.

Vamos entender melhor cada uma delas a seguir.

1. Digitização

É um termo que parece estar errado, mas vem de digitalization (em inglês) e refere-se ao processo de transição da informação analógica para uma forma digital. Em outras palavras, é a utilização de valores binários para representar sons, imagens e objetos no meio digital.

2. Digitalização

É a etapa do progresso tecnológico que envolve uma visão mais aprofundada da tecnologia para que a mudança nas organizações ocorra, de fato. Envolve conceitos como blockchain, criptomoedas, big data e Internet das Coisas (IoT).

3. Transformação digital

Depois da digitização e da digitalização, vem a transformação digital em si. A fase em que a empresa está pronta para aproveitar os efeitos totais gerados por uma sociedade conectada.

Ou seja, o progresso tecnológico segue uma ordem lógica, um caminho formado por três paradas obrigatórias. Para chegar à transformação digital, é preciso primeiro fazer a transição para o meio digital. Depois, amadurecer processos, até que todo o negócio esteja em sintonia. Só então as empresas estarão preparadas para transformarem-se digitalmente.

progresso digital

Mas o que é a transformação digital?

A transformação digital é de difícil definição. Ao contrário do que muitos pensam, não é simplesmente acrescentar novas tecnologias à rotina organizacional ou aumentar o time de TI. Não é só estar na web ou vender pela internet.

De fato, é uma mudança mais profunda que vai além da presença online. É passar por transformações significativas: sair da zona de conforto, quebrar paradigmas, alterar estruturas, adaptar culturas e abandonar pensamentos engessados para conquistar processos mais inteligentes.

Ou seja, a transformação digital propõe uma mudança radical na maneira como as empresas operam atualmente, incorporando processos digitais com inteligência para garantir seu lugar no futuro.

Percebe como tudo acontece mais rápido e nosso alcance é muito mais abrangente? Essa é uma prova de que a transformação digital está realmente acontecendo. Não só isso, está alterando nosso jeito de agir, pensar e reagir. E o melhor: garantindo experiências melhores de consumo ao longo do processo de compra.

Por fim, é um assunto que deve ser levado em consideração no planejamento estratégico de toda empresa que deseja se manter firme em um mercado que passa por mudanças marcantes e em ritmo muito acelerado.

Pense, por exemplo, na segmentação da oferta. Veja como cada vez menos somos vistos como blocos e passamos a ser tratados como indivíduos que têm necessidades e desejos distintos, únicos.

Uma das coisas mais interessantes da transformação digital é o uso de recursos tecnológicos justamente para isso: conhecer as pessoas, suas dores e expectativas.

Em resumo, identificar padrões de consumo e comportamento em nichos cada vez menores, para personalizar a experiência do usuário com a marca.

Consequentemente, aqueles que sabem aproveitar as oportunidades que a inovação oferece percebem diversos benefícios nos negócios. Dentre eles, aumento da satisfação dos clientes, gestão mais eficiente, processos menos burocráticos e reais entregas de valor.

Como a transformação digital impacta seu planejamento estratégico

Observamos como a transformação digital afetou a sociedade como um todo, alterando padrões comportamentais, quebrando paradigmas e eliminando barreiras geográficas e culturais. Mas quais serão os impactos da inovação no planejamento estratégico das empresas?

A verdade é que, ao pensar novas estratégias com base no futuro, as organizações precisam seguir duas premissas básicas:

  • Colocar o cliente no centro das decisões;
  • Não ter medo de abandonar hábitos antigos.

Depois disso, tudo fica mais fácil. Aqui estão os pontos que não podem ser esquecidos durante o planejamento estratégico de qualquer empresa de sucesso:

Entender o novo consumidor

Um dos objetivos do planejamento estratégico é fazer com que a marca resolva as dores do cliente através de seus produtos. Para isso, é essencial seguir um pensamento customer centric – para entender a fundo quais são os problemas, necessidades e expectativas do consumidor.

Mudar a cultura empresarial

Você já sabe que transformar-se digitalmente vai muito além de simplesmente ter um site publicado ou marcar presença nas redes sociais. Trata-se de uma mudança estrutural que afeta a cultura empresarial da marca.

Todavia, é um processo lento, muitas vezes doloroso, que reflete em diversos pontos, inclusive no planejamento estratégico. No entanto, traz insights poderosos e resultados satisfatórios!

equipe desenhando estratégias para por o consumidor no centro

Atualizar o modelo de negócio

Por outro lado, não basta apenas dizer que mudou. Quando alterada culturalmente, uma organização precisa rever e atualizar seu modelo de negócio. Só assim as novas definições estarão de acordo com o que a transformação digital exige.

Portanto inclui muitas pessoas e muitas frentes, podendo envolver desde mudanças nos canais de atendimento ao cliente até a produção de produtos inovadores – preparados para atender o segmento digital.

Reestruturar a gestão

Consequentemente, a gestão da empresa também precisa passar por ajustes até se tornar, de fato, tecnológica. É uma alteração de mindset que afeta todos os níveis hierárquicos e demanda transparência na comunicação para que funcione.

Digitalizar processos

É impossível abraçar a transformação digital sem antes trocar processos analógicos por processos digitais, automatizando diversas tarefas e trazendo mais agilidade e produtividade para a rotina dos profissionais.

Afinal, adotar plataformas especializadas aperfeiçoa os processos internos, além de garantir entregas mais inteligentes e rentáveis.

O Scopi, por exemplo, é um software que possibilita a automatização planejamento estratégico. Com ele, todos os colaboradores da empresa podem ter uma visão do todo e de todos, acompanhando todas as ações e crescimento da empresa online e em tempo real.

Dados, dados, dados!

Ademais, outra grande vantagem da transformação digital é ter acesso a dados estratégicos para tomadas de decisão mais assertivas. O uso de softwares e o armazenamento de dados em nuvem apresentou às empresas uma chance mais inteligente de obter insights.

Portanto jamais ignore dados: transforme-os em informação relevante para construir um planejamento estratégico de sucesso!

análise de dados na transformação digital

Velocidade nas decisões

Mas é claro que não adianta contar com dados se não for para agir com precisão. Em tempos de transformação digital, é preciso ser ágil.

Em conjunto com a análise de dados, a possibilidade de acompanhar todo o movimento da empresa em tempo real permite que as decisões sejam tomadas com mais velocidade – mas não com menos embasamento. E isso é mágico!

Resiliência

Quando essa sinergia acontece, fica mais fácil antecipar-se a possíveis erros e evitar problemas.

Contudo, também exige uma pitada de resiliência por parte dos profissionais e o entendimento de que tudo pode mudar a qualquer instante – inclusive o planejamento estratégico da empresa, novamente.

Motivar a mudança

De fato, nenhum dos itens anteriores entregaria os resultados esperados sem o acompanhamento de um líder engajado e inspirador. Uma pessoa que guie a empresa por todas as etapas de um caminho – que, muitas vezes, será cheio de surpresas.

Sem uma liderança capaz e preparada para lidar com adversidades, a transformação digital não acontece.

Não, não é uma decisão simples. Nem um projeto que pode ser implantado da noite para o dia. Uma empresa que quer se transformar digitalmente deve estar preparada para encarar muitos desafios.

Por outro lado, é um percurso que sua empresa terá que percorrer, mais cedo ou mais tarde. A não ser que seu desejo seja jogar a toalha e parar por aqui. Fica, então, a pergunta:

Minha empresa está pronta para a transformação digital?

Como já notamos, o impacto da transformação digital nas organizações é grande. Mas tamanha complexidade não deve ser encarada com viés negativo. Sair da zona de conforto requer artifícios. Pensar fora da caixa, muitas vezes, também.

Mas não é isso o que todos tentamos fazer, todos os dias, para sobreviver? Para obter destaque? Para vencer a concorrência? Para inovar?

Essa virada de chave talvez seja o passo mais relutante – também o mais essencial – para uma transformação digital saudável e rentável. É preciso mudar o mindset.

Quebrar silos. Comunicar-se com transparência. Dar as boas-vindas à urgência da mudança. Ajustar o ritmo. Contar com liderança inspiradora. Não ter medo de experimentar. Expor erros e aprender com eles.

Em suma, não há dúvidas de que a transformação digital deveria estar nos seus planos. Olhe para este momento como uma oportunidade, não como um monstro de sete cabeças. Troque opiniões, observe casos inspiradores, levante questionamentos sobre o melhor momento para encarar as etapas da mudança.

Não pense em velocidade: pense em planejamento, precisão e qualidade! Depois, é só continuar o movimento.

Afinal, só quem tem coragem de abraçar a transformação digital terá lugar no mercado do futuro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *