Análise SWOT (FOFA): o que é e como usá-la no planejamento estratégico da sua empresa

A Análise SWOT é um método de gestão que serve para fazer o planejamento estratégico de empresas e novos projetos. Continue a leitura e confira em detalhes: 

  • O que é Análise SWOT?
  • Quais fatores compõem a Matriz SWOT?
  • Como usar a Análise SWOT no planejamento estratégico da sua empresa + exemplos
  • Conclusão sobre a SWOT

O que é Análise SWOT?

A Análise SWOT é uma metodologia utilizada para fazer diagnósticos estratégicos, a partir da análise do ambiente interno e externo.

SWOT é uma sigla para as palavras em inglês: strengths, weaknesses, opportunities e threats, que significa: forças, fraquezas, oportunidades e ameaças (FOFA).

A Análise SWOT, ou Análise FOFA, nada mais é do que definir as forças e fraquezas do ambiente interno para que a empresa aproveite as oportunidades e evite as ameaças do ambiente externo.

Quais fatores compõem a Matriz Swot?

Ambiente Interno

São todas aquelas questões sobre as quais a empresa pode agir. Ou seja: tudo o que é de domínio da organização de certa forma. Fazem parte do ambiente interno:

  • Cartela de clientes;
  • Cultura organizacional;
  • Colaboradores próprios e terceirizados;
  • Equipamentos e tecnologias utilizadas; 
  • Filiais; 
  • Investimentos; 
  • Frotas; 
  • Sedes; 
  • Políticas, contratos, ativos físicos e digitais.

Ademais, o fato de a empresa exercer certo controle sobre o ambiente interno faz com que ela possa listar todas as forças e fraquezas relacionadas a ele. 

Em síntese, pontos fortes e fracos. Questões que são referência ou diferenciais competitivos e demandas que precisam de mais atenção ou necessitam ser melhoradas.

Banner para o ebook "20 Boas Práticas de Gestão"

Ambiente Externo

Envolve tudo aquilo que não está nas mãos da empresa. Logo, as coisas sobre as quais a organização não exerce nenhum tipo de controle. São exemplos de fatores externos:

  • Questões climáticas, desastres naturais;
  • Variação cambial;
  • Taxas e juros de mercado; 
  • Crises econômicas, 
  • Eleições, leis, normas, políticas; 
  • Embargos;
  • Guerras e conflitos.

Desse modo, olhando para o ambiente externo será possível estabelecer as oportunidades e ameaças – elementos essenciais para criar a Matriz SWOT aliada ao planejamento estratégico. Trata-se de observar os cenários favoráveis e desfavoráveis, o que pode contribuir para a organização e o que pode influenciar os negócios de maneira negativa.

Mas o interessante da Análise SWOT, é que ela permite que os líderes tenham uma visão geral dos pontos positivos e negativos nos dois ambientes. Para, depois, descobrir qual é o caminho mais seguro que a empresa pode seguir para atingir seus objetivos.

Afinal, como potencializar as forças para aproveitar as oportunidades e trabalhar sobre as fraquezas para passar longe das ameaças?

Isto é o que veremos a seguir!

Como usar a Análise SWOT no planejamento estratégico da sua empresa + exemplos

Enfim chegamos ao momento crucial. O momento de colocar a mão na massa e construir a Matriz SWOT, já pensando em um planejamento estratégico vencedor! 

Em primeiro lugar, imagine um quadrado dividido em quatro partes iguais. De repente, seja até melhor você desenhar em uma folha em branco. 

O lado esquerdo da página corresponde ao seu ambiente interno. É onde estão os espaços para que você preencha com suas forças e fraquezas. Obviamente, do lado direito ficam os aspectos relacionados ao ambiente externo. É onde você posicionará as oportunidades e ameaças.

Modelo de Matriz SWOT (FOFA)

Agora que estamos visualmente de acordo, aqui vai um passo a passo que pode te ajudar:

1. Defina suas forças

Antes de mais nada, ao pensar nesta etapa, preste atenção nas coisas que vocês fazem bem dentro da empresa – pelas quais são referência na respectiva área de atuação.

O que a sua organização faz melhor do que a concorrência?

Talvez você tenha uma equipe matadora, talvez o ambiente de trabalho seja reconhecido nacionalmente pela inovação. Pense em questões estruturais, tecnológicas, culturais, logísticas, contratuais.

Exemplos: uma empresa padrão GPTW, com benefícios que melhoram a qualidade de vida dos colaboradores, equipamentos novos, estrutura física recém-formada, liderança horizontal.

2. Aponte suas fraquezas

Em seguida, observe quais são os fatores internos negativos ou que precisam de melhorias para otimizar o desempenho da organização e a qualidade das entregas.

O que seus concorrentes fazem melhor do que você?

Portanto, tente enxergar o que ainda não está bom. Preste atenção aos feedbacks de colaboradores e clientes. Observe as dificuldades que a equipe enfrenta diante do mercado, veja quais são os pontos que impedem o seu crescimento.

As fraquezas podem estar relacionadas aos seguintes fatores:

  • Falta de recursos;
  • Localização da sede, 
  • Acessibilidade;
  • Comportamento da liderança;
  • Falhas na comunicação;
  • Falta de presença na mídia; 
  • Baixo desempenho;
  • Salários em desacordo com o mercado.

Exemplos: infelicidade da equipe de vendas com o novo gestor, um prédio que não tem estacionamento, colaboradores que não recebem treinamentos nem participam de eventos externos, equipes infladas devido ao crescimento desgovernado.

– Leia também: 5 Porquês: o que é, como funciona e exemplos dessa teoria

3. Liste suas oportunidades

Logo após, entenda quais são os fatores externos que podem beneficiar a empresa de alguma maneira. É o tipo de coisa que está ali, só esperando que alguém enxergue.

De que forma, por exemplo, a transformação digital pode beneficiar os negócios?

Em resumo, preste atenção às mudanças regulamentares, aos novos aspectos econômicos, à jornada de consumo das pessoas. Bem como aos lançamentos do mercado, às possibilidades de novas parcerias, às tendências locais e globais. Informe-se e estude para identificar novas chances de crescer!

Exemplos: cursos online sobre temas de interesse, possibilidade de buscar investidores, forte presença online, recursos tecnológicos avançados, novos postos de trabalho.

4. Aponte as ameaças

Por fim, faça uma lista de tudo o que está lá fora e pode prejudicar os negócios. São fatores que fogem do seu controle, elementos com o famoso efeito surpresa.

Que tipo de ocorrência pode desestabilizar a organização?

Ou seja, controle as ações da concorrência, identifique como está o share de mercado, tome cuidado com lançamentos e descontinuações de produtos ou serviços.

Ademais, identifique ainda tendências e gere insights que possam revelar como será o futuro para o seu segmento de atuação. O que será que as pessoas esperam daqui por diante? O que você precisa mudar para se adaptar ao novo cenário e atender a expectativas cada vez mais altas?

Exemplos: ferramenta do concorrente com nova funcionalidade, fornecedor mal visto, escassez de profissionais especializados, baixa ou alta do dólar.

– Leia também: Análise SWOT cruzada (TOWS): como aplicar essa ferramenta em seu negócio?

Conclusão sobre a SWOT

Dessa forma, com todas as informações levantadas, é hora de definir ações e planos de ações para reduzir ou eliminar fraquezas e ameaças e aproveitar forças e oportunidades. Também é possível e recomendável vincular o SWOT com o Canvas Modelo de Negócio e com os objetivos estratégicos. Assim se pode prever o grau de dificuldade para que os mesmos sejam conquistados.

Gostou do conteúdo sobre Matriz SWOT? Você já desenhou a da sua empresa? Conta pra gente nos comentários a sua experiência com a ferramenta!

Banner para demonstração gratuita do Scopi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *